Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) participaram, no último fim de semana, do sequenciamento dos primeiros 19 genomas do Covid-19 de pacientes de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo. Importante para entender como está se dando a transmissão do novo coronavírus no Brasil, o sequenciamento foi feito em apenas 48 horas.

Os dados genéticos levantados pelo sequenciamento indicam que a Covid-19 chegou ao Brasil especialmente por pessoas que foram infectadas em países europeus. O levantamento também possibilitou identificar de maneira genética tanto as transmissões locais (pessoas infectadas que retornaram de viagem e infectaram seus familiares), quanto comunitárias (pessoas que não tiveram histórico de viagem, mas acabam se infectando e infectando outras pessoas).

“A relevância em sequenciar os vírus em Minas Gerais consiste em entender, teoricamente, a origem das infecções. Sabemos, por exemplo, que os casos de Covid-19 no Brasil entraram por meio de voos internacionais de pessoas retornando ao país ou de visitantes, isto é fato. Então, especificamente para o Estado de Minas Gerais, é de suma importância entender este trânsito para que possamos adotar medidas de vigilância de fronteiras e tentar diminuir a entrada do Covid-19”, alerta o professor do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução da UFMG e membro da equipe de pesquisa, Renato Santana.

Além da UFMG, o projeto conta com pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC). Uma das financiadoras do projeto é a da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). As amostras coletadas em Belo Horizonte vieram dos laboratórios Hermes Pardini e Símile.

Fonte: Hoje em Dia